domingo, 21 de fevereiro de 2010

Guimarães / Fermil de Basto (ou quase lá ...)

Foi num dia de muito mau tempo que aconteceu a primeira actividade do programa sempreapedalar syndicate 2010, o Guimarães / Fermil de Basto.
Apesar de termos saído quase à hora, não fossem as enfermagens do BF (Broken Finger), os diversos contratempos não permitiram que fossemos a pedalar até Fermil, mas fizemos a melhor parte ...
A chegada do BF, às 7:32.
Agora enrola aqui a fitinha ...
assim, muito bem, está quase tudo ...
... estou pronto.
De facto este Homem é muito forte, com o polegar muito mal tratado, aguentou firme até ao fim, parabéns Augusto!
Óscar, Cientista e Nel, à saída do Parque da Cidade.
Vulcão, que hoje esteve muito pouco animado (excepto ao almoço ...)
Pinho, BF e o Paulo no sprint a ver se os apanhava.
Como se não chegasse o problema do dedo, a bicla do BF também estava a querer chatear, mas nada que não tenha sido devidamente resolvido.
BF: "o problema é mecânico, não é humano" (frase do dia)
Reagrupamento em Atães.
A passagem do rego quase em Rendufe.
Aqui, o erro do dia, decidi tentar ganhar tempo subindo directo a Rendufe, mas na realidade só perdemos mais tempo. Esta primeira parte apesar de dura ainda dava para subir, mas ...
... a seguir tivemos disto, e ...
... ainda disto.
Cientista, eu e o Flecha à espera dos alpinistas.
Logo a seguir paramos no Café do desportivo de Rendufe, que tem tais atributos que passou a ser passagem, e paragem, obrigatória (uns maravilhosos croisants).
No alto de Sta. Marinha. Aqui já registávamos alguns atrasos, não só devido ao contratempo do alpinismo mas também do ritmo lento imprimido pela dureza do piso.
Uma das passagens mais bonitas, o riacho a descer para Travassos.
Ponte sobre o Rio Vizela em Arroteia.
Ride nature, by Cannondale.
A duríssima trialeira à saída da Ponte.
O furo do Vulcão junto à barragem da Queimadela.
Somando aos atrasos acumulados este furo, optamos por tentar ganhar algum tempo subindo para Lagoa pela estrada, mas o esticão em alcatrão deu cabo do Vulcão e não só ...
Até a descida de Lagoa para Várzea Cova estava pesada, nem aí ganhamos tempo, mas divertimo-nos à grande!
A entrada nos lameiros das Baloucas.
Paulo a ajudar o Vulcão num exercício para a acalmar as cãibras, e o BF a ver se sobrava para ele.
Foi nesta altura que optamos por anular parte do percurso e chamar a logística ... o mais difícil foi falar ao telefone com tranquilidade!
E a parte do pedal terminava aqui, em Várzea Cova, onde esperamos uma bela horinha pela boleia.
É que tínhamos um maravilhoso cabrito assado à nossa espera em Fermil, e isso é que não podia esperar!
Panorama da mesa, sentido Sul/Norte.
Norte/Sul
No final do BF já estava da cor da camisola (e não bebe!)
Não conseguimos percorrer todo o trajecto previsto, mas fizemos a melhor parte e cumprimos com o principal objectivo, o convívio com participação das famílias.
Fizemos 36,5kms, com um acumulado de subida de 1142m, em 5H27m; 3H31m a pedalar à media de 10,3kms/h e 1H56m parados que representa 36% do tempo total da viagem.
Próxima actividade: II Travessia do Gerês, dia 14 de Março.

Um comentário:

pin7as disse...

boas
em conversa com o Sr. Augusto fiquei a conhecer o vosso blog/grupo, quando quiserem uns tracks pela zona de famalicão/vizela/st tirso/etc passem em bttpinoco.com e descubram o que a gente anda a fazer!

abraço e boas pedaladas!